Short fic - Esse Amor - PARTE UM


Depois do casamento, o propósito de todos e qualquer casal é ter filhos, constituir família, mas para Joe e Demi Jonas foi diferente. Após o casamento perceberam que são totalmente opostos, e nesse caso, não se atraem. 
O casamento foi feito as pressas, queriam se livrar da pressão dos pais. 
Os pais de Joe queriam que se casasse logo para, em fim, deixar de ser um mulherengo e “tomar jeito”. Os pais de Demi queriam que ela agisse espontaneamente e acharam que o casamento a ajudaria. Esses pais estavam totalmente errados achando que a pressão os ajeitariam. 
Demi, depois do casamento, ficou mais reguladora do que era, e Joe continuou o mesmo cara de sempre, mas agora tinha que agir por de baixo dopanos. 
Depois de três meses que se conheceram, se casaram, depois de quatro meses morando juntos perceberam que são opostos. 
A solução desse grande problema seria ficar juntos, mas não como marido e mulher e sim como um casal. Fariam pose de “O melhor casal”. 
Dois anos depois ainda estavam casados, não era tão difícil assim aturar um ao outro. 

- Bom dia!- disse a mulher perto do balcão pegando a cafeteira. Demi Jonas,  dona de uma empresa de moda e estilista 
- Bom dia pra você também!- Disse o homem, indo em direção à porta de entrada para pegar o jornal, aproveitando pegou a revista também. Joe Jonas, o melhor advogado da cidade. 
Eles pareciam estar casados há vinte anos, mas na verdade fazia apenas dois anos e quatro mês. 
Enquanto ela sentava, ele colocou a revista perto dela. Até agora nenhum contato visual foi feito. Ele serviu-se de café sem tirar os olhos do jornal. 
-Peguei a revista pra você. 
Obrigada.- pegou-a e passou para o outro lado. 
- Podia pelo menos foliar.- bebeu o café.- Nossa! Que café horrível é esse? 
- Se está insatisfeito, vá tomar café na padaria junto com a mulher com quem você ficou ontem. 
- Prefiro a casa da sua mãe.- a alfinetou.- Hoje eu vou demorar para chegar em casa. 
- Ótimo, mais tempo sem você! 
- Infelizmente meus pais virão, então cuidado com o que diz. 
- Eu sei me controlar, Joseph.  
- Ótimo que saiba se controlar! Você podia preparar alguma coisa especial...Quem sabe um strogonoff? 
Óbvio que não. Não sou sua empregada, Joseph. Infelizmente sou sua esposa.- o lembrou. 
- Não me lembre desse lastimável problema. 
- Consertou o chuveiro do meu quarto? 
- Não, não sou seu empregado. 
- Mas é o homem da casa. 
- Chame um profissional! 
- Você é um imprestável! 
- Vai fazer um strogonoff para os meus pais? 
Está fazendo chantagem com a sua esposa? 
- Não conserto nada. 
- Eu faço!-  entredentes gritou brava. 
- Obrigado!- contando vitória. Ele sempre conseguia o que queria chantageando-a. 

Joseph foi até a garagem pegou a caixa de ferramentas e seguiu até o quarto da Demi. O mesmo quarto que deveria ser do casal, mas não era. Desde o dia que resolveram que não se bicavam, dormiam em quartos separados. Uma vez ou outra, dormiam juntos, mas era pelos medos de Demi. 
Ninguém podia saber dessa separação, então Demi foi ao quarto de hóspedes, o dele, para organizar antes que Lara, a ajudante, chegasse. Assim que entrou viu a bagunça, tinha vontade de gritar e bater em Joseph, tamanha sua desorganização. Respirou fundo contendo a raiva, arrumou a cama e toda a roupa que tinha espalhada pelo quarto as levando para a lavanderia. 
Quando Joe terminou já era tarde, ele ia chegar tarde ao escritório. Resolveu tomar seu banho ali mesmo, no banheiro de Demi. Como a toalha dele não estava por perto, pegou a primeira que encontrou, uma rosa, para o rosto. Demi entrou no banheiro para tomar banho, esquecendo totalmente de que Joe estava ali. O pegou nu enxugando-se com uma toalha muito pequena. 
- Joe? Eu pedi que arrumasse o chuveiro e não para tomar banho! 
- Estava testando!- disse debochado. 
-Podia pegar uma toalha melhor então! 
- Eu não achei, você esconde tudo.- Demi abriu uma gaveta, tinha várias toalhas dobradas e organizadas por cores. 
- Devia imaginar.- irônico. 
- Pode ao menos se cobrir? 
- Por quê? Sou seu marido! Já me viu assim milhares de vezes! 
- Joseph!- Joe foi para o seu quarto trocar de roupa do mesmo jeito que estava: nu, fazendo Demi bufar de raiva. 

Joe procurava suas coisas, enquanto Demi terminava de se arrumar. Ele morria de raiva, pois não gostava quando Demi arrumava as coisas dele. 
- Demetria, onde você colocou a minha carteira? 
- Junto com as chaves do carro. 
Joe entrou no seu quarto e não achou as chaves do carro, quem dera a carteira. 
- Onde está a chave do carro? 
- Na gaveta! Será que não sabe onde coloca nada? 
- Foi você quem guardou, sua maníaca. 
-Relaxado! 
- Isso era para ser uma ofensa? 
- Irritante!- gritou fazendo eco na casa, e Joe adorava isso. 

Joe e Demi tinham que sair juntos de casa, já que fazia parte do plano. Ele leva ao trabalho, seria mais romântico. Portanto, Demi estava pronta , sentada na sala apressando Joe, enquanto o mesmo corria de um lado para o outro procurando suas coisas. 
- Onde você enfiou aquela gravata vermelha, Demetria? 

No carro, ela reclamava. 
- Não acredito que vou chegar atrasada outra vez! Tudo por sua culpa, sempre por sua culpa. 
- Demi, não exagera. Só estamos dez minutos atrasados. E, em parte, a culpa é sua. Fica escondendo minhas coisas. 
- Não escondi... Eu guardei. 
-Pois então não guarde. 

No caminho resolveram ficar em silêncio, já haviam brigado muito naquela manhã.  
Quando Joe estacionou o carro para ela descer. 
- Hoje você podia pelo menos me dar um selinho de despedida. Tem muita gente do lado de fora. 
- Pode ser... 
- Você vai para casa de táxi hoje. Tem dinheiro? 
- Tenho. Tchau... - deu-lhe um selinho. Joe para irritá-la, ou aproveitar, segurou a nuca dela aprofundando mais o beijo. Ele sabia que ela não bateria nele, o máximo que podia fazer seria ofender lhe, mas isso ele aguentava.  
-Tchau, meu amor.- Irônico, Joe conseguiu tirar uma cara feia dela. 

Na hora do almoço Demi não quis sair e nem comer nada, queria ganhar tempo para fazer um bom jantar para os sogros, apesar de não se dar bem com Joe, Demi adorava Denise e Paul Jonas, eram os melhores sogros que alguém poderia ter, sempre a ajudava e a tratava como filha. Diferentes dos pais de Demi, que mal sabiam como ela estava. 
Apesar da empresa não estar indo bem, quando deu cinco horas Demi foi direto para o supermercado. Comprou bastantes coisas para o jantar. 
Chegou em casa e foi direto para a cozinha preparar o jantar... 
Perto das seis, Demi foi tomar banho e Joe chegou com seus pais. Havia conseguido  sair mais cedo e aproveitou para busca-los em casa. 
- Meu amor, chegamos!- Certamente, ela não havia escutado, pois estava no banho.- Ela deve estar lá em cima. Fiquem a vontade, eu vou ver onde ela está. 
Joe praticamente invadiu o quarto de Demi, achando que ela queria provoca-lo. 
- Por que não me respondeu? 
- Respondeu o que? 
- Não se faça de sonsa, meus pais estão aí! 
- Eu não sabia, por acaso eu tenho bola de cristal? 
- Desse rápido que eles estão te esperando. 
- Eu vou no meu tempo! 
- Eu vou tomar banho- Estava saindo do quarto. 
- É melhor tomar banho aqui no nosso quarto, querido.- irônica 
- É verdade, querida. 

Enquanto Joe foi tomar banho, Demi fazia sala para os sogros. Conversavam sobre muitas coisas, Demi sentia-se mal por ter que mentir para eles sobre ela e Joe, mas era preciso. 
- Será que podemos jantar?- Joe perguntou descendo as escadas da casa largado e lindo como sempre. 
- Claro!- Demi respondeu. 

No jantar correu tudo bem, Joe e Paul ficaram conversando na sala, enquanto Demi e Denise ficaram na cozinha lavando a louça. 
- Notei que você e Joe estão distantes 
- Impressão sua, Denise. Joe e eu estamos cada vez mais próximo, além disso nos amamos. 
- Que bom, eu ficaria muito triste se vocês um dia resolvessem se separar. Só depois que Joe casou que ele deixou de ser um mulherengo, ele melhorou muito depois do casamento, Demi. Devo tudo a você. 
Demi pensou se ele podia ser pior. 
- Não tem que agradecer, Denise. Joe é... um... Ótimo marido!- As palavras saíram com dificuldade, mas saíram. Demi odiava ter que mentir sobre o seu marido. 
- Paul e eu estamos ficando velhos e você e Joe já tem tanto tempo de casados... 
- O que está querendo dizer, Denise? 
- Eu gostaria de ter um netinho.- Demi ficou sem ação, o que ela diria? “Joe e eu não nos damos bem, não podemos ter filhos.” 
Com Joe e o pai não foi diferente, ele cobrou a mesma coisa. Joe, sem saber o que falar... 
- Vamos pensar nisso. 
Eles mal dormiam no mesmo quarto, como poderiam ter filhos? 
Denise continuou pressionando Demi a querer filhos, enquanto ela dizia que pensaria no caso. Paul se deu por satisfeito quando Joe disse que pensaria. Pela primeira vez, Demi queria que Denise fosse embora o mais rápido possível. 
- Temos que ir, meus amores. 
- Já? Foi tão boa a visita de vocês...- Demi disse, mas por dentro ela estava cantando “Aleluia”. 
- Paul tem que acordar cedo, ele tem que ir ao médico.  
- Por quê?- Joe e Demi perguntaram juntos, preocupados. 
- É só rotina mesmo.- Paul respondeu. 

Joe se propôs a levar os pais para casa e Demi ficou pensando sobre os assuntos do jantar, quer dizer, o assunto, bebê.  
Sentada na sala, sua cabeça estava longe. No seu rosto a preocupação era visível. 
- O que foi?- Estava tão absorta que nem percebeu quando Joe chegou, beijando-lhe a face. 
- Nada, só estou cansada. 
- Percebi... Te dei um beijo e você nem se mexeu. Tem algo te perturbando, me diz. 
- Não é nada, Joseph!- Demi levantou visivelmente irritada, odiava quando as pessoas tentavam invadir seu espaço. Quando ela estava na metade da escada. 
- Por isso que a gente nunca vai dar certo. Você nunca me conta nada, está sempre estressada. Tento me dar bem com você, mas você se fecha. Não entendo porque as pessoas ainda acreditam que somos o “casal perfeito”. 
- Ninguém é perfeito! 
- Eles acreditam que somos perfeitos. Para eles sempre sabemos resolver nossos problemas. Meus pais acabaram de me dizer isso.-  Parada no mesmo lugar. 
- Hoje sua mãe queria que eu prometesse a ela que lhe daria um neto. Joe, não dormimos na mesma cama, como daremos um neto a ela? Construir uma família está fora dos meus planos! 
- Já somos uma família, Demi. Eu e você, somos uma família.- Disse com carinho.- Apesar das nossas brigas, apesar de tudo... 
Demi não queria ouvir nada daquilo, odiava Joe. Não o queria como marido, quanto mais que fizesse parte da sua família.  Apesar de tudo, Joe tinha razão. Eram uma família e eram a família mais complicada que existia. 
Toda garota sonha com o homem com quem vai se casar, com o homem de sua vida. Sonha com o casamento, com os filhos. E Demi havia se esquecido disso, se tornou fria e amargurada. Mal sorria. Estava sempre de mau humor.  
- Não era isso que eu queria, Joe. 
- Eu também não queria do jeito que está, meu amor.- ironizou a frase, fazendo a ira de Demi voltar. 

Depois daquela noite Demi ficou muito tristonha, queria alguém para abraçar e não o travesseiro como todas as noites. Queria alguém que pudesse lhe passar confiança, carinho e proteção. Demi chorava muito todas as noites, que do quarto de Joe se podia ouvir. Ele não sabia por que tanto ela chorava, mas não conseguia dormir pensando nisso.  
No momento que Demi ia se acalmando, ela cochilava, até que era vencida pelo cansaço dormia. 
Dois meses depois e estava tudo do mesmo jeito, Demi triste e Joe sem saber como ajuda-la. Na verdade, Joe nem conseguia saber o que a preocupava. 
Hoje a noite é a festa de cinco anos de casados de Miley e Liam.  
O primeiro a levantar dessa vez foi Joe. Sempre fora o contrário, mas na noite anterior Demi havia chorado novamente e agora não tinha forças para acordar.  
Joe quando buscou o jornal viu uma foto de Demi, sua esposa. Mas o que ela fazia no jornal “Grande empresária afunda a cada dia.” Demi vai odiar saber disso, se estava triste ontem imagina hoje?! O jornalista apontava vários defeitos  dela, os mesmo que Joe sabia de cor e salteado. Mal-humorada, calculista e outros nos quais Demi havia adquirido depois do casamento. 
O jornal estava inteiramente coberto de razão, pensou Joe. Realmente a empresa de Demi estava caindo a cada dia que passava, talvez esse seja o motivo de tanta chatice. 
- Bom dia!- Demi disse, com o rosto inchado e vermelho.  
- Ótimo dia! 
Joe não era tão mau a ponto de mostrar o jornal a ela, não depois de todo o choro da noite passada. Aquilo acabaria com qualquer um. Tratou de jogar o jornal no lixo, mas havia se esquecido de uma coisa. A revista, será que tinha alguma coisa ali?  
- Você... estava triste noite passada. Está melhor? 
- Estou.- Demi foi até a porta pegar a revista.- Você já pegou a revista e o jornal?- gritou da porta de entrada. 
- Não, por quê?-  Fez-se de sínico e jogou a revista no lixo. 
- Nenhum dos dois estão ali. 
- Devem estar atrasados. 
Era visível que Demi estava deprimida demais para pensar qualquer coisa contra o Joe. Até agora não o ofendeu. 
- Você podia me dar licença da cozinha?- Demi perguntou.- Hoje eu acordei tarde e estou com fome, preciso preparar o café. 
- Eu te ajudo.- Joe não queria que Demi chegasse perto do lixo em hipótese nenhuma.  Mesmo achando estranho, Demi aceitou a ajuda dele.- Não precisamos fazer muita coisa, somos só nós dois.

2 comentários:

  1. Amei cara de verdade!! Eu simplesmente amei ... Aí já quero mais :)
    Continua....
    Fabíola Barboza :*

    ResponderExcluir

Espero que tenham gostado do capítulo :*