Chapter One

Joseph Narrando




Segunda feira, nove e meia da manhã... Terceiro tempo, aula de matemática.

Todos os alunos estão entediados, suspirando, querendo correr pra fora da sala de aula e isso porque não tivemos nem metade das aulas do dia ainda. Percebo que enquanto todos conversam distraídos eu sou o único que realmente presta atenção na aula e tenta resolver a equação complicada que o professor deixou no quadro. Ninguém aqui está realmente interessado na aula, ninguém veio aqui porque quer aprender e ser alguém na vida, eles vem à escola porque são obrigados, ou simplesmente porque querem fugir dos pais. Pode parecer estranho, mais eu sou a única pessoa que vem a escola querendo realmente aprender.

__Senhor Jonas?__ o som do meu nome sendo chamado me fez despertar dos pensamentos e ignorar aquela maldita conta que eu tentava resolver a mais de dez minutos e não achava um resultado. Odiava quando não conseguia resolver um problema.

Todo mundo da sala parou de conversar pra ver quem havia me chamado... Era o inspetor da escola, o senhor Havier, ele não era uma pessoa muito amigável, tampouco divertida ou agradável. Ele era um cara mal, muito mal, e aproveitava qualquer motivo para ferrar com os estudantes. Eu nunca tive problemas com ele é claro, sempre mantive distancia dos problemas, eu odiava problemas. O que ele queria comigo?



__Senhor Jonas, venha comigo por favor__ ele ordenou sério, nada bom__ o diretor quer ver você.

__Uh__ um coro de vozes quebrou o silencio que surgira de repente.

O diretor? Me ver? Isso também nunca era um bom sinal... Eu não gostei muito disso, quer dizer, o que o diretor podia querer comigo? Eu costumava ser invisível aqui nessa escola. Bom, enquanto minha mente se enchia de perguntas, me levantei e saí da sala, seguindo o inspetor, deixando os cochichos dos meus colegas pra trás.

Eu tentei perguntar o que o diretor queria comigo enquanto caminhávamos até lá, mais o inspetor Havier não quis me dizer, na verdade ele me ignorou por completo, como se eu nem estivesse ali. Eu disse que ele era uma pessoa super educada. Suspirei impaciente, um monte de ideias mirabolantes me passando pela mente... Pra minha sorte chegamos.

__Anda garoto, entra... Não vai querer deixá-lo esperando__ ordenou me encarando de cara feia.

Tive vontade de dizer umas coisas muito malcriadas praquele velho mal educado, mais resolvi ficar calado, seria melhor pra todo mundo assim. Então dei uma batida na porta do diretor e logo em seguida entrei, trancando a porta atrás de mim. Porém quando eu entrei na sala me surpreendi, quem estava lá me esperando não era o diretor da escola e sim o dono.



__Senhor Lovato?__ murmurei sem conseguir esconder o quanto estava surpreso.

__Joseph__ ele sorriu amigavelmente pra mim.

Realmente aquela era nova... O que o dono da escola podia querer comigo? Quer dizer... Ele nunca aparecia por lá, somente em alguns eventos muito importantes, em raríssimas exceções. Acho que comecei a soar frio... Será que eu tinha feito algo errado?

__Algum problema senhor Lovato?__ perguntei preocupado__ eu fiz alguma coisa?

__Não, não__ ele sorriu negando__ fique tranquilo rapaz, você não fez não fez nada errado... Na verdade, eu ouvi falar muito bem de você, e é por isso que esta aqui.

__Desculpe, acho que não estou entendendo__ confessei confuso.

__Porque não se senta pra que possamos conversar melhor?__ ele pediu sentando-se na cadeira do diretor.

Eu obedeci e me sentei na cadeira, um pouco desconfortável com a situação, curioso pra saber o que ele queria comigo.

__Eu dei uma olhada no seu histórico escolar__ ele disse mexendo em uns papéis__ suas notas são ótimas, dez em quase todas as matérias, exceto por educação artística que você tem nove.

__Eu nunca fui muito bom em artes__ dei de ombros, aquela era a única matéria que manchava meu histórico perfeito, eu nunca consegui tirar um dez... Maldita seja a arte.



__Vejo também que você participa de todos os eventos escolares__ ele continuou falando__ é do time de basquete, de futebol e também de natação. Presidente do conselho estudantil, ganhador do prêmio de ciências da feira da escola cinco anos seguidos. É do clube de xadrez e ajuda o professor de matemática, monitorando alguns alunos com dificuldade. Além de nunca ter levado uma advertência e todos os professores o enxerem de elogios... Nem mesmo o senhor Havier tem queixas sobre você... E ele tem queixas sobre todo mundo.

__Eu tento ficar longe de encrencas__ expliquei me sentindo corar envergonhado__ estou tentando conseguir créditos para a faculdade, espero conseguir uma bolsa.

__Você já tem alguma ideia de qual faculdade quer entrar?__ ele perguntou entrelaçando os dedos e escorando as mãos na mesa.

__Estou em duvida entre Stanford e Harvard... As duas são ótimas faculdades e tem o curso que quero fazer... Direito.

__São mesmo ótimas faculdades, vejo que você é um garoto decidido que sabe bem o que quer, isso é muito bom senhor Jonas.

__Obrigado senhor Lovato__ eu sorri meio jeito.

__E se eu dissesse a você que posso lhe ajudar a entrar em Stanford?__ ele disse__ posso conseguir uma bolsa pra você.

Fiquei em silencio um momento tentando absorver as palavras... Uma bolsa de estudos pra entrar em Stanford era tudo que eu queria e precisava. Aquela faculdade era uma das melhores e me custaria o olho da cara ter que pagar por ela.

__Eu não entendo como__ confessei interessado.

__Eu sou Reitor nessa faculdade, e um grande contribuinte, portanto minha palavra tem muita influencia por lá... O meu voto é crucial pra decidir os alunos que merecem uma bolsa, então é só eu falar sobre você e terá um lugar garantido. Você tem um futuro brilhante pela frente meu jovem... E ter alguém tão inteligente como você em nossa faculdade seria muito bom pra nossa imagem.

__Eu não sei o que dizer__ eu falei nervoso... Não queria criar muitas esperanças.



__Não diga nada ainda, eu tenho uma proposta a lhe fazer, quero que escute com atenção__ ele pediu e eu assenti__ tem uma aluna aqui da escola com dificuldade em algumas matérias, e eu preciso de um professor pra ela. Eu falei com todos os professores e todos me sugeriram você.

__Quem é a aluna?__ eu perguntei curioso.

__Minha filha__ ele respondeu tranquilamente.

__Su-Sua filha?__ eu gaguejei... O dono da escola queria que eu desse aulas pra filha dele?__ esta falando da Demetria Lovato?

__Eu não tenho outro filho__ ele disse pacientemente.

__Desculpe mais, não seria mais apropriado contratar um professor particular?__ questionei educadamente.

__Eu já tentei isso, mais não deu certo, ela não se adaptou muito bem__ ele explicou calmamente__ então pensei que talvez fosse melhor se ela tivesse aula com um colega de classe, ela pode ficar mais a vontade, o seu jeito de ensinar pode ser mais fácil pra ela assimilar.

__Não sei se é uma boa ideia__ eu disse receoso__ não somos exatamente amigos, só temos algumas aulas juntos... Ela pode não gostar.

__Ela não tem que gostar de nada__ ele disse curto e grosso__ pense bem nisso senhor Jonas, é uma oportunidade e tanto. Você receberia um pagamento justo pelas aulas dadas, no mínimo três por dia, a semana toda... E no fim do semestre, se as notas dela tiverem realmente melhorado como espero, você teria a bolsa de estudos garantida. Não teria mais que se preocupar com gastos pra faculdade.



__Eu realmente não sei o que dizer.

__Pode pensar se quiser, mais só tem até amanhã antes que eu procure outra pessoa__ ele se levantou da cadeira.

Quando a oferta é demais o santo desconfia... Receber um pagamento pra dar aulas e ainda ter uma bolsa de estudos garantida, eu não podia perder tal oportunidade, sem isso talvez eu não conseguisse bancar a minha faculdade.

__Espere__ eu pedi quando ele estava parado na porta pronto pra sair__ eu aceito... Eu dou as aulas pra sua filha.

__Tomou a decisão certa senhor Jonas__ ele sorriu satisfeito__ você começa amanhã mesmo... Sabe onde fica minha casa?

__Sei sim senhor__ qualquer um sabia onde ficava a mansão Lovato, Patrick era o homem mais rico daquela cidade, senão do país todo... Era um bilionário dono de muitas empresas e sócio de outras mais.

__Ótimo, esteja lá depois da aula... Três horas de aula no mínimo, seu pagamento será por semana assim como um teste que aplicarei em minha filha pra saber como se ela esta mesmo melhorando. Não falte.

__Não senhor... E muito obrigada pela oportunidade__ eu disse sincero.

__Não precisa agradecer, só não me decepcione__ ele pediu__ agora volte pra aula.



Eu sai da diretoria sem acreditar que aquilo estava mesmo acontecendo comigo... Era a oportunidade da minha vida. Dar aulas pra filha do dono da escola não seria algo fácil, mais eu faria qualquer coisa pra alcançar meus objetivos. Até onde eu sabia Demetria Devonne Lovato, ou Demi Lovato como gostava de ser chamada mandava nessa escola... Ela era uma dessas patricinhas metidas que acham que são melhores que todo mundo, eu tinha algumas aulas com ela... Artes, educação física e química, mais fora isso nunca a via... Na verdade ela sempre passava longe de mim, e eu agradecia por isso. Todos queriam ser amigos dela, ela era chefe das lideres de torcida, tinha uma vaga reservada no estacionamento e também uma mesa VIP no refeitório, e o almoço dela era diferente dos outros alunos... Ela não comia a mesma gororoba que agente, seu almoço era especial. Patético... Já podia prever como seria nosso tempo juntos, mais eu não a deixaria estragar a minha chance.

Quando entrei novamente na sala de aula todos ficaram me olhando, provavelmente se perguntando o que o diretor queria comigo, esse povo era tão curioso, porque não cuidavam de suas vidas? Tentei prestar atenção na aula até que senti alguém cutucar meu ombro.

__O que foi?__ eu perguntei, era Nick meu amigo.

__O que o diretor queria com você?__ ele perguntou curioso.

__Eu conto depois__ respondi simplesmente e ele não gostou da resposta, mais ficou quieto.

Eu olhei pra frente e o professor tinha colocado no quadro a resposta do problema que eu estava tentando resolver mais cedo... Eu me xinguei mentalmente quando vi o erro que eu cometera, agora entendia porque não tinha conseguido resolver... Era fácil demais.



O resto das aulas se passou tranquilamente e assim que o sinal indicando o fim da aula tocou eu me levantei rapidamente sai da escola, agora que eu daria aulas particulares pra Demetria eu precisaria modificar todo o meu horário. Depois da escola eu ia trabalhar como garçom na lanchonete do Max. Ele era um cara rico, que tinha várias lanchonetes chiques espalhadas pela cidade, ele era um cara legal, era amigo do meus pais e por isso ele me ajudava... Depois que meus pais morreram em um acidente de carro ele me acolheu, me deu um emprego em uma das suas lanchonetes e me arrumou um lugar pra morar. Ele tem uma casa que fica perto da escola e do trabalho e me deixava morar nos fundos, em troca eu fazia alguns serviços pra ele, como limpar a piscina e cortar a grama... Graças a ele não tinha virado ladrão ou drogado, ele e sua esposa Bety me apoiaram quando precisei.

__Hey Joe, chegou mais cedo hoje__ Max sorriu ao me ver.

__Max, eu queria conversar uma coisa com você__ eu disse sem saber como pedir aquilo pra ele.

__Pode falar filho, o que aconteceu?__ ele disse tranquilamente, sorrindo pra me encorajar.

__É que o dono da minha escola falou comigo hoje, ele é Reitor na universidade de Stanford e disse que pode me arrumar uma bolsa de estudos lá, só que pra isso eu tenho que dar umas aulas particulares pra filha dele que ta com algumas dificuldades.

__Isso é muito bom Joe__ ele disse contente por mim.



__Só que eu tenho que estar na casa dele pra dar as aulas todos os dias à tarde depois da escola, de duas as cinco__ expliquei__ é uma oportunidade imperdível, e eu queria saber se você por acaso não pode mudar o meu horário aqui na lanchonete... Eu posso vir pra cá depois que terminar de dar as aulas... Ai eu ficaria das cinco até a hora de fechar.

__Bom, eu acho que posso fazer isso sim__ ele deu de ombros__ o Ramon tava mesmo querendo trocar de horário há um bom tempo, ele não gosta de servir a noite pois o movimento é maior. Mais você acha que dá conta de tudo?

__Concerteza__ garanti a ele com convicção__ depois de a lanchonete fechar eu posso fazer o resto das tarefas, ou mesmo antes de ir pra escola... Eu prometo que dou conta de tudo.

__Tudo bem Joe, fica tranquilo__ ele sorriu me confortando__ se você acha que consegue... A partir de amanhã você pode pegar o turno da noite, o importante é que você consiga a sua bolsa.

__Oh, muito obrigada Max__ eu o abracei__ você é o cara.

__Claro__ ele riu da minha empolgação__ agora vá servir garoto.

Eu almocei rapidamente e então fui trabalhar... Passei a tarde servindo o pessoal na lanchonete, distraído imaginando como seria dali pra frente. Eu ganharia o salário que o Max me paga, mais o dinheiro pelas aulas, já seria uma grana boa. Quando acabou meu turno eu fui pra casa cuidar das outras tarefas... Cortei a grama, e enquanto cuidava da piscina Nick e Kevin apareceram pra conversar... Os dois eram filhos do Max e da Bety e grandes amigos meus.

__E ai cara, você ficou de nos contar o que o diretor da escola queria com você__ Nick me lembrou.

__Não era o diretor, era o dono da escola... O senhor Lovato__ eu os corrigi__ ele quer que eu dê aulas particulares pra filha dele, em troca ele vai me pagar e me arrumar uma bolsa de estudos em Stanford.

__Hey para tudo__ Kevin pediu__ você vai dar aulas pra Demi Lovato?

__Sim, o que tem?__ perguntei sem entender o espanto dele.

__Cara, é a Demi Lovato... Ele é só a garota mais linda e gostosa de toda a escola__ ele disse.

Eu nunca tinha parado pra reparar nela, talvez por isso a afirmação dele não tenha significado nada.

__E o que tem isso?__ perguntei sem mostrar interesse__ ela é uma patricinha e aposto que dar aulas pra ela vai ser um saco.

__Isso não muda o fato de que ela é gostosa__ Nick disse rindo.

__Nem que você é um pervertido__ eu resmunguei tacando um pouco de água neles.

__Você é sortudo__ Kevin comentou__ mais não acha um pouco demais? Quer dizer, você tem as aulas de manhã, vai dar aulas pra ela à tarde, trabalhar na lanchonete à noite e ainda fazer as tarefas aqui em casa... Você não cansa não é?

__O esforço vale a pena__ dei de ombros.

__Mais e a diversão como fica?__ Nick perguntou.

__Eu me divirto... Do meu jeito__ respondi sem dar muita atenção.

Eles não entendiam porque eu trabalhava e me dedicava tanto aos estudos... O caso é que eu estava cansado de depender dos outros. Eu era agradecido por tudo que fizeram por mim, mais eu queria ir pra faculdade, arrumar um emprego descente e comprar minha própria casa... E era assim que eu ia começar, trabalhando... Eu me divertiria depois.



CONTINUA ...

3 comentários:

  1. Hey sera que vc poderia divulgar o meu blog ?http://jemistaystrongandlivelife.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Nossa muito legal
    amei posta logo ein !

    ResponderExcluir

Espero que tenham gostado do capítulo :*