Capítulo 38 Bônus do fds

— Porra — Joe rosnou, saltando debaixo de mim. Eu tive que reprimir um sorriso. 
Ajoelhei ao lado dele, meu braço ainda cobrindo meus seios, e então me permiti olhar. Uau. 
Eu não tinha nada para comparar, mas não podia imaginar que pudesse ser maior. Ele era longo e grosso, e circuncidado. Gianna tinha vencido sua aposta estúpida. 
— Você vai ser a minha morte, Demi — Joe disse em voz baixa. 
Eu me virei, envergonhada. Eu estava encarando. Havia fome no rosto de Joe quando fixei meus olhos nos seus. Uma de suas mãos repousava sobre seu estômago, a outra estava jogada sob sua cabeça. Seu abdômen estava tenso; na verdade cada centímetro de seu corpo parecia dessa forma. De repente, fui tomada pela timidez. Por que eu pensei que era uma boa ideia dar uma olhada nele? Arrisquei outra olhada. 
— Se você continuar olhando para o meu pau com essa expressão atordoada, eu vou entrar em combustão. 
— Sinto muito se a minha expressão lhe incomoda, mas isso é novo para mim. Eu nunca tinha visto um homem nu. Todas as minhas primeiras vezes, eu vou experimentar com você. 
Joe se sentou. Sua voz baixou uma oitava. — Isso não me incomoda. Isso é sexy pra caramba, e eu vou aproveitar cada primeira vez que você vai compartilhar comigo. — Ele acariciou minha bochecha. — Você nem percebe o quanto me deixa excitado. 
Com ele sentado, nossos rostos estavam próximos e Joe me puxou para um beijo. Eu pressionei minha mão em seu ombro e então, lentamente, desci pelo seu peito para seu estômago. Joe parou de me beijar. — Ontem à noite você me perguntou se eu queria que você me tocasse. 
— Sim — eu disse, minha respiração ficando presa. — Você quer que eu te toque agora? 
O fogo em seus olhos escureceu. — Porra, sim. Mais do que qualquer coisa. — Ele estendeu a mão para o meu braço que pressionava contra os meus seios. — Deixe-me vê-los. — Ele fechou os dedos em volta do meu pulso, mas não puxou. Eu hesitei. Ele os tinha visto ontem, mas agora eu me sentia mais exposta. Lentamente eu soltei meu braço e abaixei. Fiquei sentada quieta enquanto os olhos de Joe vagavam sobre mim. — Eu sei que eles não são grandes. 
— Você é bonita pra caralho, Demi. 
Eu não sabia o que dizer. 
— Você quer me tocar agora? — ele disse em voz baixa. 
Eu balancei a cabeça e lambi meus lábios. Olhei para baixo, então timidamente estendi a mão e corri o dedo sobre o seu comprimento. Era macio, quente e firme. Joe soltou um forte suspiro, os músculos de seus braços ficaram tensos. Eu rocei a ponta, maravilhada com o quão suave ele era. Joe rangeu os dentes. 
Eu senti uma estranha sensação de poder sobre ele enquanto corria meus dedos para cima e para baixo lentamente, fascinada por sua maciez. 
Joe tremeu sob o meu toque. — Me pegue com a sua mão — disse ele em voz baixa. 
Eu passei meus dedos em torno de seu eixo levemente, preocupada em machucá-lo. Mexi a mão para baixo, depois para cima, surpresa com o quão pesado ele parecia na palma da minha mão. Joe deitou. Eu sabia que ele estava me observando, mas não pude encontrar o seu olhar, mortificada pela minha própria coragem. 
— Você pode pegar mais forte — disse ele depois de mais alguns dos meus movimentos experimentais. 
Eu apertei meus dedos. 
— Mais forte. Ele não vai cair. 
Eu corei e me virei, soltando a mão. — Eu não queria te machucar. — Deus, isso era embaraçoso. Eu não podia mesmo fazer isso. Talvez Joe realmente devesse voltar para sua prostituta, Grace. Ela sabia o que fazer. 
— Ei — Joe disse calmamente, me puxando contra ele. — Eu estava brincando com você. Está tudo bem. — Ele me beijou. Sua boca se moveu contra a minha, inflexível, mas suave, e sua mão serpenteou pelo meu braço, meu quadril e chegou à curva da minha bunda até que seu dedo escorregou entre as minhas pernas e roçou sobre minhas dobras. Ele deslizou para frente e para trás levemente antes de deslizar a ponta do seu dedo sob minha calcinha. 
Prendi a respiração com a sensação dele contra a minha pele nua. Ele mergulhou entre as minhas pregas, então deslizou até meu clitóris, revestindo-o com minha umidade. Eu gemi contra seus lábios antes de deslizar minha língua em sua boca para dançar com a sua. O prazer atravessou meu corpo quando ele girou o dedo sobre a minha protuberância sensível. 
Ele puxou sua boca da minha, seus olhos me perfurando. — Quer tentar de novo? — ele murmurou com um aceno de cabeça em direção ao seu comprimento duro. 
Seu dedo brincou comigo outra vez e eu fiquei ofegante, mal conseguindo pensar direito, muito menos formar uma frase coerente. Meu corpo doía com uma necessidade que eu nunca tinha sentido antes. Passei minha mão pelo seu torso musculoso, seguindo a trilha de pelo escuro da sua ereção. Eu enrolei minha mão em torno dele, que saltou sob o meu toque. 
Os dedos de Joe deslizaram mais rápido contra a minha carne úmida. Suas carícias firmes me fizeram arfar, mas eu estava muito ansiosa pra me importar. Joe cobriu a minha mão em torno de seu comprimento com a dele, me mostrando o quão forte eu poderia apertál-o. 
Em seguida, ele mexeu nossas mãos para cima e para baixo em seu eixo. Eu assisti com fascínio. Nós mexemos mais rápido e mais forte do que eu teria ousado. Os dedos de Joe entre minhas dobras, me esfregando mais rápido, até que eu mal podia respirar e meu pulso batia em minhas veias. Eu estava prestes a ter um orgasmo. 
 Joe — engoli em seco e ele brincou com o meu clitóris, me levando a perder o controle. Espasmos passaram pelo meu corpo enquanto eu gemia. Minha mão bombeou o comprimento de Joe ainda mais rápido quando o grunhido gutural da sua libertação tomou conta dele. Eu tremia contra ele quando o vi gozar em nossas mãos e no seu estômago. Meus mamilos estavam duros e esfregando contra seu peito, enviando ondas de prazer através de mim. Sua ereção latejando na minha mão suavizou lentamente. Joe tirou os dedos de dentro da minha calcinha e descansou a mão sobre a minha bunda. 
Fechei os olhos, e ouvi o barulho do seu coração. Joe beijou o topo da minha cabeça, me surpreendendo com o gesto amoroso. Meu coração explodiu em uma nova esperança. Aos poucos, a nossa respiração desacelerou. Joe estendeu a mão para uma caixa de tecido na mesa de cabeceira e me entregou um lenço de papel, antes de se limpar. Voltei à consciência quando limpei seu sêmen da minha mão. Não podia acreditar que o toquei assim. Eu ainda estava sensível entre as minhas pernas, e ainda assim queria sentir seus dedos novamente. 
Será que era errado eu gostar tanto do toque de Joe?

Continua ...
Eitaaaaaa as coisas estão esquentando 

4 comentários:

  1. Babado kkk...arrasou Jesus...segura meu emocional esse momento...gente que lindos ❤️
    To amando !! Esta perfeito ❤️ Posta logooo beijos ❤️

    ResponderExcluir
  2. Posta logoooo... Por favor

    ResponderExcluir

Espero que tenham gostado do capítulo :*