Capítulo 41 Mini Maratona 3/3



Ele não parou. Ele foi implacável. Joguei minha cabeça para trás, olhando para a noite no céu. Joe não me disse para olhar para ele neste momento, mas eu podia ouvir tudo o que ele estava fazendo. A forma como ele me chupou e lambeu, como ele cantarolava em aprovação, como ele soprou contra a minha carne aquecida e depois lambeu novamente. Meu corpo inteiro estava em chamas, tremendo. Eu não podia aguentar mais, mas então Joe empurrou sua língua dentro de mim e eu gozei, meus músculos se apertando ao redor dele. 
Fechei os olhos, minhas costas se arquearam para fora do mármore frio. Eu estava tão molhada. Como era possível alguém ficar tão molhada? Os sons de Joe me lambendo eram errados, mas eles me despertaram como nada jamais tinha feito. 
Joe puxou a língua para fora quando os últimos picos de meu orgasmo me fizeram quebrar. Antes que eu percebesse o que estava acontecendo, senti o dedo contra a minha abertura e ele deslizou quase todo o caminho. A intrusão foi estranha e inesperada. Eu empurrei e engasguei com a dor. Meu corpo ficou rígido enquanto eu tentava recuperar o fôlego. Eu nunca tinha usado absorventes internos, porque eles eram muito desconfortáveis e também porque a minha mãe se preocupava que eu poderia acidentalmente romper meu hímen. 
— Porra, você é tão apertada, Demi. 
Apoiei minhas palmas contra a Jacuzzi, tentando relaxar. Água espirrou sobre o meu corpo quando Joe saiu de dentro da banheira e se inclinou sobre mim, com seu dedo ainda dentro da minha abertura. Mordi o lábio, mas não olhei para ele. 
— Ei, — ele disse em uma voz áspera. Eu encontrei seu olhar. — Eu deveria ter entrado mais lentamente, mas você estava tão molhada. 
Eu balancei a cabeça, mas não disse nada. Eu não conseguia superar o sentimento do sededo em mim. Ele não se moveu, mas estava lá, me enchendo. Joe beijou meus lábios. Seus olhos estavam ainda mais escuros do que eu já tinha visto, e cheios de tanta fome que isso me assustou e excitou, ao mesmo tempo. 
— Ainda dói? — ele perguntou com a voz rouca. 
Mexi meu quadril ligeiramente, tentando encontrar palavras para a sensação. — É desconfortável e arde um pouco, — eu consegui falar. 
Joe lambeu meus lábios, e depois chupou a parte inferior. — Eu sei que eu sou um idiota por dizer isso, mas o pensamento do meu pau dentro da sua buceta apertada me deixa tão duro. 
Meus olhos se arregalaram, mas ele balançou a cabeça. — Não fique tão apavorada. Eu disse que não iria tentar isso hoje à noite. 
— Você também me disse que não iria me machucar. — Foi mais para provocá-lo, eu não estava realmente brava com ele. Eu estava lentamente me acostumando com o dedo dentro de mim, e aquilo que tinha feito antes foi o paraíso Eu já queria seus lábios e língua em mim outra vez. 
Algo na expressão de Joe mudou, mas eu não consegui ler a emoção. — Eu não achei que machucaria, Demi, — disse ele em voz baixa. — Você estava tão molhada e disposta. Pensei que meu dedo iria entrar sem problemas. Eu queria que seu quarto orgasmo fosse com meus dedos. 
Eu estremeci e um pequeno pico de prazer se construiu em meu núcleo novamente. Eu quase queria que Joe movesse seu dedo agora. — Doeu porque você tirou a minha, você sabe... — um rubor subiu pelas minhas bochechas e algo brilhou nos olhos de Joe. — A sua virgindade? Não, principessa. Eu não fui tão profundo e eu quero fazer isso com meu pau, não com meu dedo. 
Principessa? Calor aqueceu o meu peito. Lentamente ele puxou o dedo para fora, meus músculos se apertaram em torno dele e um formigamento estranho percorreu meu núcleo. Ele traçou o mesmo dedo sobre o meu lábio e mergulhou em minha boca. Eu o circulei com a minha língua, mesmo sem saber o porquê. 
Joe gemeu. Ele tirou o dedo e empurrou sua língua na minha boca. Apertei-me contra seu peito, minha língua lutando com a dele. — Vamos entrar. Eu quero lamber você de novo. 
Eu exalei. 
— Você vai me deixar colocar o dedo em você outra vez? Eu vou ir realmente lento agora. 
— Sim — eu disse. Ele saltou da Jacuzzi e me ajudou a levantar. Então ele me levantou em seus braços, minhas pernas envolveram sua cintura enquanto ele me levava para dentro. 
Ele me largou de pé na frente da nossa cama e desapareceu dentro do banheiro, só para voltar com uma toalha. Ele me ajudou a tirar o biquíni, envolveu a toalha em volta de mim e começou a me secar delicadamente. Fechei os olhos, apreciando a sensação. Eu não podia acreditar que tinha deixado Joe fazer o que ele tinha feito. Eu não podia acreditar que eu queria que ele fizesse isso de novo. Tudo era esmagador. Eu sabia que estávamos indo muito rápido, mas como Joe tinha dito, o que eu estava esperando? Ele era meu marido. 
— Você está com frio? 
Meus olhos se abriram. Joe deixou cair a toalha, me deixando nua. Suas mãos deslizaram pelos meus braços, de cima para baixo. Meu corpo inteiro estava coberto de arrepios. — Um pouco. 
Joe me fez deitar na cama antes de se endireitar e deslizar para baixo sua bermuda. Sua ereção saltou livre, dura e longa, e de repente a ansiedade tomou conta de mim. Ele colocou o dedo em mim, talvez agora ele quisesse ir para a próxima etapa. Talvez eu estivesse confusa sobre algumas coisas no momento, mas tinha algo que eu sabia: eu não estava pronta para isso. 
Eu ainda mal conhecia o homem na minha frente, e dormir com ele, deixar que ele entrasse assim em mim era demais, íntimo demais. Talvez esta noite tenha sido a sua maneira de me manipular. Ninguém chegava tão longe na máfia sem ser um mestre na manipulação. 
Pressionei minhas pernas juntas e dobrei meus joelhos. Joe fez uma pausa, com um joelho já na cama. 
— Demi? — Seus dedos se enroscaram na minha panturrilha e eu recuei, me sentando e puxando minhas pernas contra o meu peito. Ele suspirou. — O que foi agora? 
Ele sentou-se ao meu lado, seu comprimento quase roçando minha perna. — Diga algo. 
— Estamos indo muito rápido — disse eu em voz baixa. 
— Porque eu estou nu? Você já viu meu pau antes. Você até me masturbou. 
Meu rosto queimou. — Eu acho que você está tentando me manipular. Se eu der a chance, você vai ir até o fim hoje. 
— Pode apostar que sim, mas eu não consigo ver o que manipulação tem a ver com isso — disse ele com uma pitada de raiva em sua voz. — Eu quero você. Eu nunca menti para você sobre isso. Eu vou aceitar o que você estiver disposta a dar, e você estava disposta na Jacuzzi. 
— Não é sobre o dedo — eu rebati, e de repente fiquei com raiva também. — Talvez você tente fazer o mesmo com seu pênis. — Eu sabia que isso soava ridículo. 
Joe então riu. Ele se inclinou muito perto. — Isso não vai funcionar. Meu pau não vai deslizar facilmente, acredite em mim, e vai doer muito mais. 
Eu vacilei, lembrando o que Grace havia dito no nosso casamento. Ele vai te foder até sangrar. Joe soltou uma respiração dura. — Eu não deveria ter dito isso. Eu não quero te assustar. 
Observei-o por cima das minhas pernas. Ele correu os dedos levemente pelo meu lado. Seus lábios, até então rígidos, se separaram. — Diga-me que você gostou do que eu fiz no terraço — Joe murmurou, e havia uma pitada de necessidade em sua voz, talvez até mesmo vulnerabilidade. 
— Sim, — eu disse sem fôlego. Ele se inclinou mais perto, seus lábios na minha orelha. 
— O que você mais gostou? Da minha língua fodendo você? Ou quando eu lambi todo o caminho da sua buceta? Ou quando eu chupei seu clitóris? 
Oh, Deus. Eu estava ficando molhada outra vez. A voz profunda de Joe  vibrou através do meu corpo. — Eu não sei. 
— Talvez eu precise te mostrar de novo? — Joe se empurrou contra meus tornozelos, que foram pressionados contra mim até que havia espaço suficiente para a sua mão deslizar entre eles e as minhas coxas. Ele me segurou com a palma da mão. Eu estava prestes a deitar e tornar a coisas mais fáceis para ele, mas ele balançou a cabeça. — Não, — ele murmurou. — Fique assim. — Seus dedos começaram a se mover contra minhas dobras, quatro deles provocando, fazendo círculos, esfregando. 
Apoiei o queixo nos joelhos, respirando pesadamente. Joe beijou minha orelha e passou um braço em volta do meu ombro, me puxando contra seu lado. Era estranho, sentar com as pernas prensadas contra o meu peito enquanto ele me tocava, mas me senti incrivelmente bem. A ereção de Joe esfregou contra a minha coxa, sua respiração estava quente contra o meu ouvido.

2 comentários:

  1. Gente do céu.. Tô em choque com esse capítulo Socorro kkkk

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente amei essa maratona :) espero que ainda tenha mais maratonas como essa kkk...Jesus...o circo tá pegando fogo kkk...estou amando tudo...
    Espero que aquela puta não fique mais com o Joe...e que ele não fique mais com ele...acho bom ele dizer essas coisas para Demi...
    Esta tudo hot kkk...adoreeeeei
    Ansiosa para mais kkk..beijos

    ResponderExcluir

Espero que tenham gostado do capítulo :*