Capítulo 46

*** 
Joe saiu pouco depois do almoço e Gianna imediatamente me puxou para o terraço, longe de ouvidos atentos de Romero. 
— O que está acontecendo? Você tem agido de um jeito estranho a manhã toda. Por que você não respondeu quando eu lhe chamei esta manhã? 
Eu desviei o olhar, um rubor se espalhando pelas minhas bochechas. Os olhos de Gianna se abriram. — O que ele fez? 
— Ele fez sexo oral em mim — admiti. 
— Você deixou? 
Eu ri. — Sim. — Mais calor subiu pelo meu rosto ao som de impaciência na minha voz. 
Gianna se inclinou para frente. — Você gosta disso? 
— Eu amo isso. 
Gianna mordeu o lábio. — Eu odeio pensar em você com ele, mas você realmente parece curtir isso. Acho que teve alguma vantagem em Joe ter fodido todas as meninas da sociedade de Nova York. 
Eu não queria pensar nisso. 
— Então, como é? 
— É como se eu estivesse quebrando. É impressionante e surpreendente, eu não sei como descrever. 
— Mas você não dormiu com ele? 
Eu balancei minha cabeça. — Ainda não, mas não acho que Joe quer esperar muito mais tempo. 
— Foda-se ele. Ele pode se ferrar. — Ela estreitou os olhos. — Ele te obrigou a fazer um boquete nele? 
— Ele não me obrigou. Eu quis fazer. 
Gianna parecia em dúvida. — E? Conte-me mais. Você sabe que eu tenho que viver através de você. Eu estou tão cansada de estar sob vigilância durante todo o dia. Eu quero um namorado. Eu quero ter sexo e ter orgasmos. 
Eu bufei. — Eu duvido que nosso pai vá permitir isso. 
— Não tenho a intenção de perguntar a ele, — disse Gianna com um encolher de ombros. — Eu estou aqui agora. Ninguém está me impedindo de me divertir, certo? 
Meus olhos se arregalaram. — Papai me mataria se eu deixasse você ficar com caras enquanto estiver aqui. 
— Ele não tem que saber, não é? — Ela deu de ombros novamente. — Não é como se eu fosse contar a ele, mesmo. 
Eu fiquei boquiaberta, depois ri. — Bem, a menos que você queira seduzir Romero ou Nick, suas opções são meio limitadas. 
— Ugh, não. Eu não quero nenhum dos dois. Eu quero um cara normal. Um cara que não sabe quem eu sou. 
— Bem, eu não sei como poderíamos encontrar um cara para você. 
Gianna sorriu. — Que tal irmos a um clube? 
— Romero não vai me deixar fora de sua vista depois que eu fugi dele uma vez. Não há nenhuma maneira de fugirmos dele e irmos a um clube. 
Gianna ficou pensativa. Eu me preocupava com o plano louco que ela poderia elaborar. Eu realmente gostei da ideia de sair para uma noite e dançar. Eu sempre imaginei como seria passar a noite em um clube e me soltar. 
— Romero pode vir conosco. Ele está cuidando de você, não de mim. Talvez eu possa escapar. 
— E então o quê? Vai ter uma rapidinha em uma cabine do banheiro? Você realmente quer ter sua primeira vez assim? 
Gianna olhou. — Pelo menos eu ia fazer isso em meus próprios termos. Seria minha escolha. Você não teve uma escolha. Joe e o nosso pai fizeram as escolhas por você. Eu não entendo como você pode ficar tão calma sobre isso. Como você pode não odiar Joe? 
Às vezes eu me perguntava isso mesmo. — Eu deveria odiá-lo. 
O rosto de Gianna se desintegrou. — Mas você não odeia. Porra, Demi, você realmente se importa com ele? Você o ama? 
— Será que você realmente prefere que eu o odeie e seja infeliz? 
— Ele te trata como uma prisioneira. Você realmente não acredita que Romero faz apenas sua proteção, certo? Ele mantém um olho em você, então nenhum outro cara pode chegar perto. 
Eu sabia disso. — Vamos às compras. 
— Sério? Isso é tão esposa-troféu. 
— Cale a boca, — eu disse provocando, querendo melhorar o humor. — Vamos comprar roupas para hoje à noite. Nós podemos ir para um dos clubes de Joe. 
Gianna sorriu. — Eu quero vestir algo que deixe os caras duros só de olhar para mim. 
*** 
Romero esperava fora da loja enquanto nós fomos fazíamos compras. Ele provavelmente verificou previamente se havia uma saída nos fundos que poderíamos usar para escapar. Eu ainda não tinha contado a ele sobre o nosso plano de ir a um clube. Era melhor se eu o surpreendesse no último momento. 
Gianna assobiou quando eu me virei para que ela pudesse admirar a minha roupa.  Puta merda. Você é o sexo com pernas. Ou talvez a morte com pernas, porque Joe provavelmente vai matar todo cara que olhar para o caminho errado. 
Revirei os olhos. — Joe não vai matar ninguém por olhar. 
— Quer apostar? 
Não, eu não apostaria. Eu nunca tinha usado nada tão sexy em público. A calça de couro preto abraçava meu corpo com tanta força, que parecia uma segunda pele. A blusa preta sem mangas e transparente marcava minha cintura, revelando meu sutiã brilhante que levantava os seios embaixo. 
— Você também não parece muito simples. — Eu disse. 
Gianna pulou da minha cama. — Você acha? — ela me deu um sorriso sedutor. Ela parecia realmente muito gostosa com a meia-calça preta e as hot pants da mesma cor. 
— Você é menor de idade. — Boa coisa que não tínhamos que nos preocupar em sermos barradas. Liguei nossos braços e juntas descemos as escadas. Romero estava sentado no sofá, limpando a faca. Ele levantou o olhar e parou completamente o que estava fazendo. Seus olhos correram pelos nossos corpos. Ele nem uma vez olhou para mim abertamente. 
— Você está nos dando uma conferida? — Eu não podia deixar de provocá-lo. Ele era sempre tão controlado. Esta pequena centelha de humanidade foi um alívio. 
Ele se levantou abruptamente, e guardou a faca em seu coldre. Seus olhos estavam outra vez firmemente focados no meu rosto. — O que está acontecendo? — havia uma pitada de tensão em sua voz. 
Fui até ele, que realmente ficou tenso pensando que eu iria escapar. Isso quase me fez rir. — Gianna e eu queremos ir para o Marquee. — Esse era um dos clubes mais quentes da cidade. 
Romero balançou a cabeça. — Ele pertence à Bratva. 
— Hm, qual o clube mais quente que pertence à Família, então? 
Romero não disse nada. Ele enfiou a mão no bolso e tirou seu telefone, provavelmente para ligar para Joe. Então algo estalou em mim. Eu não podia acreditar que ele precisava pedir permissão a Joe. Eu dei uma olhada para Gianna e acenei com a cabeça em direção a Romero, que tinha começado a escrever algo. Ela se aproximou dele e, de repente, apertou sua bunda. Ele pulou e eu usei o momento para arrebatar o telefone dele. Ele deu um passo ameaçador em direção a mim, os olhos brilhando com raiva, então congelou. — Demi, — disse ele Devolva. 
Eu coloquei o telefone na minha cintura. A calça era apertada o suficiente para que não houvesse risco de escorregar para baixo. 
Gianna se afastou de Romero, sorrindo. — Por que você não enfia a mão na calça de Demi e pega? Vou tirar uma foto e enviar para Joe. 
Os olhos de Romero permaneceram em seu telefone dentro da minha calça, mas eu sabia que ele não iria tentar pegá-lo. — Isso não é engraçado. 
— Não, não é, você está certo, — eu disse rispidamente. — Eu sou adulta. Se eu te disser pra você me levar a um clube, eu não quero que você peça permissão ao meu marido. Eu não sou criança, nem sou sua propriedade. 
— Você é de Joe — Romero disse calmamente. 
Fui até ele, tão perto que tive que inclinar a cabeça para trás. — Gianna e eu estamos indo a um clube. Então, se você quiser me manter na mira da arma, vai nos levar lá ou vai nos deixar em paz. 
A mandíbula de Romero se apertou. O olhar em seus olhos me fez perceber porque ele era o meu guarda-costas. Pela primeira vez eu me lembrei de que Romero era um assassino. 
— Eu vou levá-la. Mas você vai para o Sphere. É de Joe. 
— Será que é bom? — perguntou Gianna. 
— É muito melhor e mais popular que o maldito Marquee. — Romero estava realmente chateado. 
— Leve-nos lá, então. — Ele vestiu o paletó e nos levou até o elevador. — Joe não vai gostar disso, — disse ele. 
*** 
Gianna e eu nos sentamos na parte de trás do carro, enquanto Romero dirigia cortando o tráfego. Puxei o telefone e verifiquei o que Romero tinha escrito. 
Querem ir a um clube. Têm permissão? 
Ele conseguiu enviar antes de eu confiscar o celular, e a resposta de Joe veio depois. 
NÃO. 
Meu sangue ferveu. Gianna bufou. — Eu não posso acreditar nessa porra de atrevimento. 
Romero olhou para nós através do espelho retrovisor. — Joe respodeu? 
— Sim, — eu disse. — Ele disse que você deve ficar por perto o tempo todo. 
Romero comprou minha mentira e realmente relaxou. Gianna piscou. Joe iria ficar puto, mas eu realmente não conseguia me importar. Romero estacionou o carro numa rua lateral e nos levou ao redor do prédio. Uma longa fila de pessoas esperava em frente à entrada, mas Romero passou por todos. 
— Ei, você, estúpido filho da puta, há uma fila aqui, — um cara gritou. Romero parou, uma raiva fria substituiu sua habitual calma. 
— Vão em frente, — disse Romero para nós antes de se virar para o cara. Gianna apertou minha mão e me arrastou até os dois seguranças na frente. Eles eram tão altos e musculosos quanto Joe. 
— Você não parece ter idade suficiente para estar em um clube, — o homem de pele escura disse. 
— Isso é um problema? — Gianna perguntou com um sorriso sedutor. 
O olhar do homem se moveu para algo atrás de mim. — Romero, — disse ele com uma pitada de confusão. 
— Ela pertence ao chefe, Jorge. Esta é Demi Vitiello e sua irmã, Gianna Scuderi, da Chicago Outfit. 
Ambos os homens olharam para mim, depois recuaram respeitosamente. — Nós não sabíamos que ela viria hoje à noite. O patrão não disse nada, — disse Jorge. 
Romero fez uma careta, mas também não disse nada. Em vez disso, ele nos levou pra dentro, passando pelo guarda-volumes com uma luz azulada e uma área de bar. Atrás dele as portas se abriram para uma pista de dança. As luzes azul e branca brilhavam e o hip hop explodiu em nossa direção. Gianna puxou a minha mão, querendo ir nessa direção. 
— Devemos ir ver Joe primeiro, — disse Romero. 
— Ele está aqui? — perguntei surpresa. 
Romero assentiu. — O clube tem vários camarotes e um escritório onde lidamos com alguns negócios. 
— Por que você não vai dizer a ele que estou aqui enquanto Gianna e eu passamos pela pista de dança? 
Romero me deu um olhar. — Sem nenhuma chance no inferno. 
— Isso é problema seu então. Gianna e eu vamos dançar. — Romero agarrou meu pulso. 
Eu fiquei tensa. — Me solte agora mesmo, — eu assobiei e ele soltou, seu peito arfando. 
Gianna e eu entramos no clube. A batida vibrou sob os nossos pés como se o chão tivesse vindo à vida. O clube estava lotado com corpos contorcidos. Romero estava atento a nossas sombras quando nos esprememos pela multidão em direção a outro bar. 
— Duas gins tônicas, — eu disse. O barman franziu a testa brevemente antes de perceber Romero, depois preparou nossas bebidas e entregou para nós. Romero se inclinou sobre o bar e disse algo para o homem, que assentiu com a cabeça e caminhou para fora do bar. Eu sabia o que isso significava. Tomei um gole da minha bebida, em seguida a coloquei no balcão e fui para a pista de dança. 
Eu deixei a música passar pelo meu corpo e comecei a me contorcer com a batida. Gianna sorriu largamente, jogando a cabeça para trás. Ela parecia mais feliz do que eu a tinha visto em muito tempo. Ela movia os quadris e a bunda. Eu me aproximei e imitei seus movimentos. Nossos olhos se encontraram quando nós perdemos todo o senso de tudo ao nosso redor, quando deixamos a batida levar embora quem éramos. Eu não tinha certeza de onde Romero estava e não me importava. Isto me fazia sentir livre. 
Homens estavam nos observando. Eu não retornei seus olhares famintos. Não seria justo levar isso adiante. Já Gianna não tinha as minhas limitações. Ela sorriu e flertou, bateu os cílios e passou as mãos pelos cabelos. Alguns homens começaram a dançar em torno de nós. Gianna se pressionou contra um deles, as mãos sobre o seu peito. Outro homem ergueu as sobrancelhas para mim, mas eu balancei minha cabeça. Ele abriu a boca e depois fechou, afastando-se. 

4 comentários:

  1. Joe vai enlouquecer, já to vendo o final que vai dar.
    Posta logooo

    ResponderExcluir
  2. Ahhhhhh posta mais pvf

    ResponderExcluir
  3. Joe com raiva & ciúmes kkk -perfeito !!
    Está tudo maravilhoso ❤️ Estou amando cada detalhe...preciso de mais.
    Beijos linda !!

    ResponderExcluir

Espero que tenham gostado do capítulo :*